Iniciando crianças no Golfe: 10 regras sobre Incentivo e motivação

Compartilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

12841229_797755050329722_9064657661417515891_oA grade curricular das crianças atualmente é lotada de atividades extracurriculares. São aulas de inglês, instrumentos musicais, esporte terapias,… enfim, todas as atividades que os pais consideram importantes para o desenvolvimento afetivo, social e educacional da criança.

Algumas dessas crianças são inciadas no golfe, normalmente porque os pais praticam e raramente é por vontade própria. Talvez se o Brasil tivesse ídolos no golfe teríamos mais crianças querendo jogar golfe, mas isso é papo para outro artigo.

Ensinar uma habilidade a crianças não é uma tarefa fácil. O movimento precisa de um alto grau de repetição para a aprendizagem e variabilidade nas atividades para manter a atenção das crianças e cobrir todos os aspectos técnicos. Mas principalmente precisamos envolver a atenção deles para que a diversão e o amor pelo esporte cresçam juntos, somente assim vamos conquistar sua vontade de aprender.

Seguindo as regras abaixo, motivação e desenvolvimento caminham juntos na direção do sucesso.

1. Fixe objetivos a curto prazo

No ensino devemos sempre pensar em objetivos que podem ser atingidos. Nas fases de maturação física da criança existem os momentos idéias para introduzir uma nova habilidade. Para ensinar o golfe é preciso desmembrar o esporte em habilidades, por exemplo, putting, approach, full swing e regras. Dentro de cada uma destas habilidades podemos pensar em níveis de performance que devem ser crescentes de acordo com o tempo de prática e idade da criança.

O importante é pensar em objetivos simples dentro de cada habilidade e buscar uma evolução gradativa.

2. Mais brincadeiras e menos lição

As crianças dentro e fora da escola sempre buscam se divertir. Quando a aula é divertida a vontade de aprender e participar é maior. Seu aluno vai demonstrar mais interesse quanto melhor for o tempo que ele passou aprendendo sobre golfe. Para despertar o interesse lembre sempre de realizar atividades curtas. Uma criança de 6 anos normalmente não tem um nível de atenção maior do que 10 minutos numa mesma brincadeira, por isso uma aula de 40 minutos deve conter pelo menos 4 atividades diferentes. Desta maneira é você que determina quando a brincadeira acaba e se ele se divertiu participando, vai guardar uma boa lembrança.

3. Incentive sempre o positivo

Planeje atividades orientadas para o sucesso. As atividades devem se adequar à habilidade dos participantes para que tenham pelo menos 80% de sucesso na realização, assim conseguimos manter a motivação e evitar a frustração. Mesmo para adultos, ter um professor dizendo o tempo todo como a postura está errada, o grip errado, a transferência de peso errada e não receber nenhum elogio, pode ser destrutivo. Imagine para uma criança! As crianças precisam de feedback positivo para incentivar a aprendizagem. Não mostre o que está errado, aponte qual é o objetivo do movimento e se dentro deste movimento ele realizar alguma coisa certo, elogie com entusiasmo. Por exemplo, se na aula de putting ele não consegue segurar com firmeza o putter e a bola não percorre a trajetória ideal, mas ele mantém o olho na bola e faz o grip corretamente, elogie isso!

4. Comunique-se com linguagem apropriada

Sempre fique no nível da criança quando vai explicar algo. Abaixe-se e olhe nos olhos quando estiver explicando assuntos importantes, como as questões de segurança. Use uma linguagem simples, nada muito técnico na hora da explicação e não passe muita informação de uma só vez. A criança vai perder o interesse se não conseguir entender o que você está dizendo. Use uma linguagem simples e incentive a curiosidade.

5. Use ferramentas visuais e não verbais

Muitas vezes é mais fácil ver o que o professor quer do que ouvir. Demonstre o que tem que ser feito e seja claro na explicação. Use videos, fotos, ou até mesmo jogos eletrônicos para ilustrar suas aulas. Hoje em dia existem vários videogames que tem o golfe como tema e sempre é útil para ensinar regras e objetivos do jogo.

6. Segurança sempre

As crianças tendem a testar limites sempre e agir por impulso. Fique atento aos movimentos dos tacos. Se estiver dando aula em grupos explique que é perigoso se posicionar atrás de um jogador pronto para realizar um swing. Fale sobre os perigos que envolvem o golfe e nunca desvie sua atenção. Evitar acidentes deve ser uma prioridade na aula.

7. Seja criativo

Use outros esportes para ensinar a técnica. Se pensar bem, alguns movimentos podem ser parecidos o suficiente para visualizar o swing. O baseball, tênis, bocha todos possuem elementos similares ao swing. Variando sua aula ajuda a manter o interesse e diversifica as atividades. Faça brincadeiras no putting green e nas bancas e vibre sempre que a criança conseguir atingir o objetivo do exercício.

8. Faça o aproach virar uma brincadeira

A area de approach no putting green deve ser explorada ao máximo. Afinal de contas um approach eficiente pode salvar uma tacada ineficiente. Use bolas coloridas e crie desafios de pontuação. Esta brincadeira pode ser treinada em diferentes distâncias e superfícies, crie situações com enredo para os menores. Alem de trabalhar a parte técnica estará ajudando a desenvolver a solução de problemas e o raciocínio. Um exemplo é pintar uma cara de coelho na bolinha e fazer de conta que o coelhinho está perdido e precisa ir a té a toca passando por vários obstáculos. Use a imaginação e a fantasia para cativar a atenção dos pequenos.

9. A competição como método de ensino

Incentivar atividades desafiadoras do tipo “quem consegue?” provocam a curiosidade e atenção dos menores. Já para os maiores promover atividades do tipo, quem emboca mais bolas a 1 metro de distância, quem consegue se aproximar mais do buraco desde a banca e outras, ajudam a desenvolver a criatividade e despertam a vontade de melhorar. Evite fazer comparações para que ninguém se sinta inferior.

10. Mostre o campo

Leve a criança para o campo sempre que puder. Ele não precisa jogar todos os buracos, mas aqueles que são par 3 podem ser um bom incentivo para ele entender qual é o objetivo do jogo. Lembre que ficar somente no drive range não é divertido para ninguém. Um passeio de carrinho com caça ao tesouro ajuda a motivar e criar boas memórias em campo. Acima de tudo, promova a diversão. Nenhuma criança aproveita uma atividade se não existe prazer.

Edição: 

Veja também:

Carros de golfe da Tramontina produzidos no Brasil Carros de golfe da Tramontina produzidos no Brasil
CBG divulga calendário e Manual de Normas 2018 CBG divulga calendário e Manual de Normas 2018
© 2018 Jornal do Golfe. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.
Toborino Software