Especialização precoce no golfe pode ser prejudicial às crianças

Compartilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone

Os esportes podem ser categorizados de acordo com a idade de iniciação. Alguns esportes como a ginástica olímpica, saltos ornamentais e patinação, precisam ser iniciados muito cedo, ao redor dos 5 anos, já que o pico de performance acontece bem antes dos 20 anos.

Já outros esportes se beneficiam muito da especialização tardia. O golfe está entre eles.

Atletas que praticaram uma variedade de esportes antes de se focar somente no golfe, tiveram mais sucesso do que outros que somente jogaram golfe.

Divulgação

Envolvimento em esportes variados. Pesquisa feita pelo USOC com atletas Oímpicos

Jordan Spieth jogou e competiu em baseball, rugby e natação antes de se focar somente no golfe com 12 anos. O fato dele arremessar com a mão esquerda permitiu adquirir coordenação e sequenciamento bilateral. Dois elementos básicos para a aprendizagem correta do swing e a prevenção de lesões.

Tiger Woods competiu em atletismo, Adam Scott é surfista, Phil Mickelson jogou baseball, Sérgio Garcia jogou futebol e a lista continua.

Durante o período de maior aprendizagem motora, justamente antes do pico de crescimento, a criança possui a capacidade de aprender e reter habilidades que irão lhe permitir ter sucesso no esporte que ela escolher mais na frente.

É o q eu chamamos de QI fisico ou Physical Literacy. Quanto mais variada for sua exposição aos diferentes esportes, melhor será seu repertório motor. O ser humano é capaz de aprender durante toda sua vida, mas existem períodos ideais para isso, as chamadas Janelas de Aproveitamento ou Sensitive Periods, tanto para a aprendizagem de habilidades como para o treinamento das capacidades importantes ao esporte (força e velocidade).

Por esta razão é muito importante acompanhar o crescimento e amadurecimento das crianças afim de identificar estas janelas. Nem sempre aquela criança que é maior no grupo ou mais habilidoso, terá necessariamente um melhor desempenho futuro, crianças com desenvolvimento tardio muitas vezes podem se beneficiar de um maior tempo de exposição aos períodos de aprendizagem e desenvolvimento de habilidades e  se envolver no esporte espacializado com um QI fisico maior, o que lhe será uma vantagem no futuro.

GolfCanada.com

GolfCanada.com

O gráfico ao lado representa as fases da especificidade do treinamento de crianças no golfe.

O golfe é um dos esportes de especialização tardia, e não é recomendada a especialização cedo demais. O PGA Canadá apresenta o seguinte gráfico onde aponta as fases ideais de treinamento.

Podemos observar que a competição somente é introduzida no início da adolescência, quando a criança já passou pelas fases de brincar, aprender fundamentos e aprender o jogo de fato, junto com outros esportes.

Na adolescência a criança possui mais maturidade para lidar com fracassos, comparações, fair play e adquirir a resistência que o golfe exige.

Este gráfico não deve ser interpretado literalmente. É muito importante observar o desenvolvimento e a maturação individual de cada criança. Acompanhar seu crescimento e determinar a fase em que se encontra para evitar expor cedo de mais a estímulos que podem ser prejudiciais.

Problemas da especialização precoce:

  • Desrespeita os períodos de aproveitamento para desenvolver habilidades variadas
  • Impede a exposição a situações de cooperação e competição em outros grupos que ajudam a moldar características sociais e cogitivas
  • Aumento do volume de treino físico e técnico num único esporte pode provocar “Burn Out”e desistências
  • Aumenta a cobrança por resultado e consequentemente o estresse da criança
  • A diversão que vira obrigação. Motivação intrínseca é a unica que pode manter a criança envolvida 100%. Quando ela deixa de se divertir normalmente perde qualquer vontade de participar
  • Lesões por movimentos repetitivos e unilaterais. Quando o esporte único é unilateral e exige volumes altos de repetição como o golfe, as lesões podem arruinar a carreira de um jovem que ainda nem sonha em ser profissional. A variedade de movimentos evita descompensações e cria ferramentas para evitar lesões futuras.

Recomendações aos pais e treinadores:

  • Identifique a curva de crescimento e treine habilidades antes do pico (14 – 16 anos para meninos 12 – 14 para meninas) e velocidade durante o pico.
  • Especialização somente após a pratica de 2 ou mais esportes até os 13 anos no mínimo. O ideal é esperar até os 15.
  • Evite lesões e “burn out” por excesso de treinos, modere volume, intensidade e frequência às necessidades da criança. Pratique o movimento bilateral.
  • Evite envolver a criança em competições antes dos 12 anos para meninas e 10 para meninos. A maturidade emocional ainda não é suficiente para administrar resiliência, fracassos e auto estima baixa.

Todo pai é motivado pela vontade de fazer o melhor para seus filhos, mas lembre-se que a motivação da criança é sempre a diversão. Prêmios, pressão emocional ou instigar o medo nunca funcionaram.

Em primeiro lugar devemos respeitar a vontade deles se o objetivo é criar crianças felizes que encontram prazer no jogo de golfe.

 

Edição: 

Veja também:

FortunA Golf Platinum no Clube dos 500 FortunA Golf Platinum no Clube dos 500
Torneio no Taiá definirá finalistas do Latino-Americano Golf Channel Torneio no Taiá definirá finalistas do Latino-Americano Golf Channel
Campeões da 1ª Etapa Tour 2016 do Torneio Incentivo ao Golfe no Embrase Golf Center Campeões da 1ª Etapa Tour 2016 do Torneio Incentivo ao Golfe no Embrase Golf Center
Promoção para as mulheres ficarem sócias do Champs Privés, apenas 250 reais por mês Promoção para as mulheres ficarem sócias do Champs Privés, apenas 250 reais por mês
© 2019 Jornal do Golfe. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.
Toborino Software