A preparação física do Golfista utilizando o método Pilates

Compartilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
Foto: divulgação

Foto: divulgação

A ideia do golfista aposentado e fora de forma, com sua barriguinha aparente e seu charuto na boca está muito ultrapassada. Tiger Woods na década de 90 conseguiu mudar essa concepção e surgiu a ideia do golfista atleta.

Mas a realidade do Amador no Brasil está longe de ser essa. O golfista amador, apesar de praticar com afinco, fazer aulas semanais e utilizar o equipamento mais tecnológico possível, ainda não entendeu como o treinamento físico pode ser seu aliado.

Durante o swing  o torque gerado na aceleração e desaceleração (backswing e downswing) é o que imprime velocidade e potência na tacada. Mas as forças de cisalhamento, rotação e compressão dos discos vertebrais podem causar lesões graves se as estruturas de proteção da coluna não estiverem fortalecidas.

No jogador profissional, as dores são causadas pelo excesso de treino e pouco descanso. O chamado “overuse”. Já no amador as lesões são causadas pela falta de preparação física associada à uma técnica deficiente. É nesse ponto que o Pilates pode ajudar o jogador.

O golfe é um esporte que exige fluência do movimento do swing, muita propriocepção, articulações fortes e com boa mobilidade e técnica e para evitar lesões. A coluna lombar é a região onde as lesões do golfista mais incidem. Essa lesão está muito ligada à falta de rotação interna de quadril, fraqueza de glúteos e centro e pouca estabilidade lombar.

Todas essas deficiências podem ser trabalhadas com segurança  dentro do estúdio de Pilates. Tanto o Pilates no solo como nos aparelhos trazem inúmeros benefícios para o golfista. Os princípios de alongamento axial, fluência de movimento, core e articulação da coluna vão de encontro com tudo que um golfista precisa ter para realizar o swing com eficiência e segurança.

Dentre os benefícios do Pilates para o golfista podemos citar:

–       Melhora da estabilidade postural. Evita defeitos de swing como o “early extension”

–       Fortalecimento do Core e Glúteos. Evita desvios laterais como “sway’e “slide”

–       Aprendizagem correta da técnica

–       Alivio de compensações pelo swing ser unilateral

–       Melhora da potência da tacada

Para melhores resultados sempre procure um estúdio com profissionais qualificados para trabalhar com golfe.

Edição: 

Veja também:

Inscrições abertas para o Aberto Feminino do Itanhangá Inscrições abertas para o Aberto Feminino do Itanhangá
Andréa Ortiz vence a etapa brasileira do Turkish Airlines World Golf Cup 2016 Andréa Ortiz vence a etapa brasileira do Turkish Airlines World Golf Cup 2016
Taça Cidade Olímpica no novo campo do Rio de Janeiro Taça Cidade Olímpica no novo campo do Rio de Janeiro
Paulo Vitor Mattos é campeão do Aberto do Vista Verde Paulo Vitor Mattos é campeão do Aberto do Vista Verde
© 2019 Jornal do Golfe. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.
Toborino Software