World Golf Fitness Summit 2016

Compartilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
Foto: divulgação

Foto: divulgação

A cada dois anos o Titleist Performance Institute (TPI), maior órgão mundial de pesquisa e formação profissional do mundo em Golfe, realiza seu congresso nos Estados Unidos.

Este ano, o World Golf Fitness Summit 2016, em comemoração dos 10 anos desde o primeiro congresso o TPI realizou um evento nota dez em todos os aspectos. O tema desta ano foi: o que podemos aprender de outros esportes?

Especialistas de atletismo, baseball, lacrosse e outros esportes apresentaram suas metodologias e resultados de pesquisas de anos à frente do golfe em questão de multidisciplinaridade e compreensão global do atleta. Fora estes, especialistas dos setores de coaching, fisioterapia, junior coaching, nutrição e psicologia esportiva fizeram apresentações brilhantes sobre as bases do desenvolvimento do atleta e como evitar as frustrações do overtraining, auto sabotagem mental e ineficiência de metodologias ultrapassadas.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

A individualidade do atleta foi apontada por vários palestrantes, entre eles o Dr Jeremy Koeing que apresentou a metodologia que se usa na Athletigen, uma empresa especializada em determinar o gene esportivo e prever o sucesso no esporte baseado na sua genética, respostas fisiológicas ao treinamento e características coginitivas. Quando  o investimento no atleta é no nível mais alto, determinar por todos os meios a chance de sucesso deste pode ser uma vantagem.

No caso do golf fitness podemos assistir a grandes nomes do treinamento como Gray Cook, Dr Tom House e  Jason Glass, que explicou sobre como oferecer ao aluno o treinamento com a mínima dose e o máximo de resultados, ou seja, uma sessão de treinamento não precisa estar focada em preencher uma hora inteira com o maior número de exercícios, mas sim oferecer os movimentos mais eficientes sem estressar as estruturas do músculo esqueléticas para obter o melhor resultado.

O aluno deve sair da sessão se sentindo fantástico e não exausto! Qualquer um pode te dar uma surra na academia. O que não significa que aquele treinamento vai ser mais efetivo ou vai gerar maior adaptação e resultado em campo. Ao contrário, treinar em excesso, visando quantidade e não qualidade nunca vai ter um resultado positivo no swing e menos ainda na confiança do aluno.

Exercícios de preparação física de golfe não precisam simular o swing de golfe em si. O objetivo é trabalhar as capacidades físicas que vão fazer o swing melhorar, e não trabalhar o swing em si. Movimentos complexos, tridimensionais e direcionados em recuperar e ganhar.

Um assunto muito levantado por vários palestrantes da área fitness foi a necessidade de trabalhar as habilidades básicas coordenativas para uma melhor adaptação e aprendizagem motora no golfe, ou em qualquer esporte.

Crianças que pulam fases de desenvolvimento necessárias para maturar as estruturas do corpo e ganhar habilidades, perdem a longo prazo a chance de desenvolver outras habilidades mais complexas. A especialização precoce num único esporte é um dos principais motivos para o encurtamento da carreira do jovem atleta.

O mesmo acontece com o adulto que não sabe arremessar uma bola fazendo uma transição do peso corporal e utilizando a alavanca do corpo para gerar potência. É praticamente impossível que este aluno consiga dissociar quadril e ombros e mover seu corpo na sequência ideal para a eficiência da técnica do swing.

Em suma, menos exercícios de malabarismo do swing e sentados em máquinas que façam tudo por você e mais arremessar, chutar, driblar, pular e até engatinhar. Exercícios bilaterais, nos três planos de movimento e que envolvam e desafiem sua habilidade e capacidade cognitiva é o futuro do treinamento. Isso sim vai te ajudar mais a atingir seu melhor desempenho no golfe.

Esta é a conclusão do World GOLF fitness Summit do TPI em 2016. Um privilégio poder estar na presença dos melhores treinadores do mundo e ouvir os experts falar sobre a nossa paixão em comum. Ajudar o golfista a atingir seus objetivos.

Africa Alarcon
Edição: 

Veja também:

Ponte sobre um azar de água, como jogar seguindo as regras do golfe Ponte sobre um azar de água, como jogar seguindo as regras do golfe
Adilson Ramos e Zenilda Alves vencem o IV Aberto de Golf – Sferriê Open do Pine Hill Golf Club Adilson Ramos e Zenilda Alves vencem o IV Aberto de Golf – Sferriê Open do Pine Hill Golf Club
Aberto do Terravista: juvenil Tomas Afonso Ribeiro vence em casa, de ponta a ponta Aberto do Terravista: juvenil Tomas Afonso Ribeiro vence em casa, de ponta a ponta
Cadeirantes golfistas participam do Golf by Night da Jack Nicklaus Academy no Terras de São José II Cadeirantes golfistas participam do Golf by Night da Jack Nicklaus Academy no Terras de São José II
© 2019 Jornal do Golfe. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.
Toborino Software