Estou perdendo distância, e agora? 4 dicas que vão te ajudar a sair na frente

Compartilhe: Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someone
Fred Couples

Fred Couples

Se você já passou dos 50 anos e comprovou que suas tacadas estão ficando mais curtas, qual foi sua atitude?

Pensou: Trocar de tacos? Bom faz parte do envelhecimento? Ou: de jeito nenhum, não vou deixar isso acontecer!

Fred Couples, John Houston, John Riegger, todos tem acima dos 50 anos, mas a media de distância com driver é de 290 jardas.

Lógico que estamos falando de profissionais que dedicam sua vida ao treino, com toda a tecnologia ao seu alcance e os melhores profissionais do mundo para ajudá-los.

Mas é só um exemplo de que chegar aos 50 não significa que devemos desistir de atingir o melhor nível de golfe. O maior problema enfrentado pelos jogadores de golfe hoje em dia é a luta contra o estilo de vida sedentário. Passamos longas horas sentados no computador, no carro, no sofá. Andamos curtas distâncias, subimos de escada rolante ou elevador e quando vamos pra academia, sentamos novamente em máquinas que praticamente fazem todo o trabalho de estabilização do movimento.

A consequência é muita fraqueza muscular, principalmente no centro, músculos atrofiados e encurtados, ligamentos fracos, articulações desgastadas e pouco tempo livre para tentar reverter tudo isso.

Voltando ao golfe, as principais causas da perda de distância são:

– Falta de mobilidade e estabilidade escapular. Vai determinar a amplitude do seu backswing e o plano de movimento do taco.

– Falta de força de centro. O centro é o ponto de conversão entre a energia que vem das pernas e o padrão aceleração/desaceleração que o tronco precisa realizar.

– Inabilidade de separar quadril e ombros (dissociação): A falta de mobilidade torácica (rotação) pode ser confundida com falta de separação. Quando existe instabilidade de quadril, automaticamente o tronco perde mobilidade como uma maneira de proteger sua coluna.

Se você quer evitar essa perda de distância que eventualmente vai ocorrer, sugiro que adote as seguintes recomendações:

– Elimine o carrinho de golfe do seu jogo e se possível use menos escadas rolantes, elevadores e carro. Seja mais ativo e caminhe mais. Só de caminhar mais, estará ajudando a fortalecer seu centro sem ter que fazer nenhum abdominal.

– Passe longe das maquinas de musculação. Contrate um professional que vai te assessorar a trabalhar movimentos e não músculos. A estabilizar seu corpo em exercícios funcionais e a ser mais independente e coordenado.

– Pare de se enganar com pesinho leves e series de 3 x 15. Treino de força não é fácil nem leve. Somente um treino de força bem montado vai evitar a diminuição natural da testosterona e consequente perda muscular.

– Cuide da alimentação. Estar acima do peso é um estresse nas suas articulações e no seu sistema cardiovascular.

Edição: 

Veja também:

Paulo Armani é bicampeão no Terravista do L’Occitane Open Paulo Armani é bicampeão no Terravista do L’Occitane Open
Circuito de Outono do São Paulo Futebol Clube dia 7 de abril no Guarapiranga Circuito de Outono do São Paulo Futebol Clube dia 7 de abril no Guarapiranga
Terras de São José vence 1ª etapa da Taça Escudo Terras de São José vence 1ª etapa da Taça Escudo
Campeões do “Torneio You, Ibis São Caetano” no Lago Azul Golfe Clube Campeões do “Torneio You, Ibis São Caetano” no Lago Azul Golfe Clube
© 2019 Jornal do Golfe. Todos os direitos reservados. XHTML / CSS Valid.
Toborino Software